5 razões para investir em um seguro automotivo

Entenda por que vale a pena considerar o valor de um seguro automotivo no seu orçamento para evitar dores de cabeça no futuro. Confira também as novas regras para o seguro auto.

Adquirir um automóvel é uma tarefa que exige um grande empenho e investimento. Desde os trâmites para a emissão da Carteira de Habilitação à burocracia no processo de compra, além do valor do carro, são feitos outros diversos investimentos no caminho até a sua garagem.

Mas, tudo isso vale à pena quando se leva em conta a comodidade de ter um veículo à disposição em casa, as facilidades que ele agrega no dia a dia, a forma como possibilita novas opções de lazer e, para aqueles mais apaixonados pela direção, como este sonho realizado pode trazer uma sensação inigualável ao ouvir o ronco do motor. Um item tão importante e de tanto valor agregado merece cuidados à altura, e é por isso que nas seguradoras, as apólices que resguardam os veículos estão entre as mais recorridas.

No artigo de hoje, vamos refletir um pouco mais sobre a importância do seguro automotivo, trazendo 5 razões para que você considere a contratação de uma apólice do tipo. Além disso, vamos entender as mudanças da Circular Susep n° 639/2021, que visa à flexibilização desses serviços.

Quais as razões para investir em um seguro automotivo para o seu veículo?

Muito além das razões financeiras, um seguro automotivo traz também benefícios notáveis na qualidade de vida. Aqui separamos algumas das razões pelas quais você deve considerar o seguro como um item indispensável do seu orçamento!

1. Para ter comodidade em momentos de necessidade

A imprevisibilidade é a única certeza que temos nessa vida, e eu acredito que você gostaria de contar com alguma ajuda num daqueles dias em que tudo parece dar errado.

Geralmente é num desses dias, em que parece que acordamos com o pé esquerdo, que o carro resolve dar algum problema.

Seja um defeito de cunho mecânico ou elétrico, ou até mesmo causado por aquele pequeno acidente ao sair da garagem, nessas horas o suporte de uma seguradora pode fazer toda a diferença entre um pequeno imprevisto ou algo que acabe completamente com o seu dia.

Nem todas as apólices oferecem um serviço de suporte 24h, mas há de se reconhecer o alívio de poder chamar um reboque quando o pneu acaba furando e não tem o tempo ou habilidade para trocá-lo, ou mesmo para conseguir um chaveiro quando você acidentalmente fecha o carro com a chave ainda lá dentro. Em todos esses casos, quem tem um seguro agradece e quem não tem procura logo em seguida, quando o prejuízo já adentrou o bolso. E vem daí a nossa segunda razão para contratar um seguro automotivo.

2. Para evitar surpresas nas suas finanças

No universo automotivo, estamos sempre falando de quantias significativas no orçamento. Para solicitar um reboque ou um chaveiro, por exemplo, já seria necessário desembolsar algumas centenas de reais, e a menos que você tenha uma boa quantia sobrando por aí, é sempre bom se prevenir quanto a situações adversas.

O pagamento de seguro, em parcelas controladas e gerenciáveis, traz uma tranquilidade financeira muito maior do que ter que lidar com as surpresas desagradáveis de um acidente ou defeito mecânico. E nós ainda estamos falando de situações pequenas; imagine o transtorno em casos de acidentes mais graves, em que é necessário arcar com despesas médicas ou com a restauração de outros veículos envolvidos? Eu sei que você já está quase indo contratar um seguro agora, mas nós ainda temos mais algumas razões para te ajudar a decidir!

3. Para garantir a segurança do motorista, passageiros e terceiros

Mesmo com todo o cuidado na direção, motoristas e passageiros estão constantemente expostos ao risco de acidentes. Seja por segundos de distração ou por culpa de um terceiro, acidentes no trânsito são uma realidade, e contar com uma proteção para esses casos é uma condição sempre bem-vinda.

Em casos mais leves, em que os transtornos e danos são apenas materiais, o seguro pode ressarcir os envolvidos quanto ao prejuízo em seus veículos, dependendo, é claro, das condições pré-estabelecidas na sua contratação. Se o motorista considerado culpado tiver uma apólice com essa característica, por exemplo, a seguradora se responsabiliza pelos custos com o seu veículo e ainda com o outro automóvel envolvido no acidente. Consegue imaginar o tamanho do problema que a falta de seguro pode representar?

Em casos mais pesados, em que os danos vão além do veículo, as seguradoras podem prestar apoio com as despesas médicas ou obituárias, amenizando as preocupações em um momento que já é extremamente delicado e estressante. Contar com um seguro auto é optar pela segurança e humanidade de quem dirige, dos seus passageiros e de todos aqueles no trânsito à sua volta. Mas e quando os culpados vão além do controle humano? Entenda no próximo tópico!

4. Para se proteger contra fenômenos da natureza

Existem momentos em que os danos em um automóvel têm causas além do controle humano. Situações de alagamentos, deslizamentos, quedas de árvores, dentre outras, são mais comuns do que se imagina e, em grande parte dos casos, levam os donos dos veículos atingidos a prejuízos irreparáveis.

Apólices de seguro que contemplam fenômenos da natureza são uma boa ajuda em casos como os citados acima, ressarcindo os proprietários completamente em momentos de perda total ou auxiliando em reparos quando possível. Mas e quando os danos são causados por outras pessoas?

5. Para se proteger contra perigos das cidades

Só em 2020 foram mais de 140 mil roubos ou furtos de veículos registrados no Brasil, o que significa, infelizmente, que seu carro tem mais chances de ser roubado ou furtado do que de ser atingido por um raio. Para ambos os casos, vale contar com a proteção de um seguro automotivo.

Os índices crescentes de violência e desigualdade social, sobretudo em grandes centros, transforma os veículos alvos fáceis da criminalidade, e perder o carro em uma situação de roubo já não pode ser tratado como uma possibilidade tão remota. O indicado pelo Manual de Auto Proteção do Cidadão, da Polícia Militar de São Paulo, é nunca reagir à ação dos criminosos; valorize a sua segurança e dos seus passageiros e entregue o veículo sem resistência.

Passado o susto, é a hora de acionar a Polícia para registro do boletim de ocorrência e, em seguida, a sua seguradora para o cumprimento do contrato.

Novas regras do seguro auto: flexibilização e personalização

A Circular Susep n° 639/2021, publicada em agosto do ano passado, veio a público com a promessa de flexibilização no setor de seguros automotivo, possibilitando que as companhias de seguro lançassem produtos com apólices mais em conta e/ou personalizadas. Veja o que mudou!

As coberturas ficam a critério do cliente

Antes, as coberturas para roubo/furto, colisão, incêndio, cobertura de terceiro, intempéries, entre outros eram ofertadas em um só pacote. A partir de agora, no entanto, o contratante poderá escolher separadamente o risco de cobertura dentre os citados anteriormente.

A proteção passa a ser vinculada ao motorista

Uma mudança significativa foi a transferência da cobertura, que antes era do carro, para o condutor. Isto significa que, mesmo dirigindo um veículo que não seja seu, o motorista contratante encontra-se coberto pela apólice de seguro.

Este é um grande ponto de interesse para motoristas de aplicativos e pessoas que utilizam frequentemente o aluguel de veículos.

As peças usadas e/ou não originais estão autorizadas

A nova Circular permite o uso de peças usadas e/ou não originais nos veículos, uma vez que atendam às especificações técnicas do fabricante e tenham atestada a sua procedência, condições e garantia. Para atestar esses pontos, é obrigatório passar por uma vistoria de seguro, mais um procedimento que garante segurança e tranquilidade ao condutor.

O valor da indenização passa a ser negociável

Em caso de perda total, cobria-se o valor integral do veículo. A partir de agora, o motorista poderá contratar indenização parcial, como a cobertura de 70%, por exemplo. Nesse caso, se o carro custar R$ 80 mil, o valor da indenização seria de R$ 56 mil.

Para o Diretor Executivo da Positivo Seguros, Gustavo Bentes, os seguros “podem se tornar mais acessíveis, adequados e personalizados de acordo com a realidade do consumidor”.

Porém, alerta sobre o risco na hora de contratar o seguro. “O ideal é fazer por meio de um corretor de confiança que seja habilitado na Susep, a fim de evitar a mitigação de direitos”, afirma Gustavo.

Se você chegou até aqui, acreditamos que entendeu todo o valor agregado a este serviço, e mal vê a hora de dirigir com essa tranquilidade.

Aproveite as novas regras para escolher um pacote que se adeque ao seu orçamento e que cubra aqueles riscos aos quais se considera mais exposto. Dirija com atenção e nos vemos na próxima parada!

Categoria:

Notícias

Compartilhar:

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Telegram

Receba as novidades em primeira mão

Nós também odiamos spam, então não se preocupe com isso.

Publicações Relacionadas